O terceiro encontro da Escola de Verão "Violência na cidade e ação pública — Memória, Juventude e Reestruturação Urbana", organizado pelo Laboratório de Estudos da Violência da Universidade Federal do Ceará e pelo Instituto Francês de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD), aconteceu na cidade de Fortaleza, dos dias 4 a 9 de abril de 2022.

Essa escola reúne diferentes grupos acadêmicos, autoridades locais e atores comunitários que promovem ações públicas, no intuito de desenvolver perspectivas, objetivos e olhares cruzados, para abordar questões relacionadas à violência urbana e territorial. Esta terceira escola da continuidade ao trabalho e as reflexões das duas escolas anteriores, em Bondy (França) em maio de 2018 e em Medellín (Colômbia) em abril de 2019.

O objetivo da Escola é analisar questões relacionadas à violência territorial, reestruturação urbana e juventude no contexto de Fortaleza, através de trabalho de campo, de entrevistas e da construção de uma reflexão comum com base nessas observações. Essa investigação é enriquecida pelo compartilhamento de experiências e práticas desenvolvidas por pesquisadores, profissionais e atores públicos (municipais, estaduais e federais), bem como pelas comunidades e instituições (locais e nacionais).

Os objetivos específicos são:

  • Formação de estudantes de mestrado e doutorado, atores públicos e organizações civis em problematizações e experiências de pesquisa que abordem a violência no espaço urbano brasileiro, latino-americano e francês;
  • Estabelecer um fórum de reflexão coletivo, em parceria, propício à construção de conhecimento compartilhado por um olhar comum de experiências empíricas e de pesquisa. Realizado por pesquisadores, profissionais, habitantes, comunidades, organizações estatais e não governamentais (ONGs), que participam de intercâmbios e atividades de campo.

Esta edição da Escola de Verão tem como propósito investigar as realidades da violência na cidade com as ações públicas e privadas de transformação dos territórios, a partir do trabalho de campo nas comunidades. Adota uma abordagem multidisciplinar, com acadêmicos de várias áreas das ciências sociais e humanas e com diferentes tipos de instituições, sejam da sociedade civil, dos bairros, da Prefeitura ou do Estado do Ceará.

Abordamos quatro tipos diferentes de bairros, sujeitos a múltiplas violências, o que nos permitirá comparar a variedade das situações presentes. Esses territórios vivenciam diferentes trajetórias e intervenções, onde disputas e competições por espaço (por exemplo, entre os usos dos habitantes e determinadas políticas públicas, realocação, lutas por reconhecimento, regulações, a presença do estado ou dos atores sociais). A inserção no local será realizada através das instituições locais e dos atores sociais, em contatos realizados previamente.

Os trabalhos são realizados em quatro bairros:

  1. Centro/Praia de Iracema
  2. Grande Vicente Pinzón
  3. Jangurussu/Conjunto Palmeiras
  4. Grande Bom Jardim

O trabalho irá alternar a contextualização das situações de violência em Fortaleza, na América Latina e na França; o trabalho de campo, onde cada grupo, formado por estudantes e orientadores, aprofundará a realidade das comunidades estudadas, no encontro com diferentes tipos de atores; e, os fóruns de construções coletivas e análise comparativa. Serão espaços de diálogo, baseados nas experiências e práticas identificadas in loco, que serão colocadas em perspectiva e problematizadas. O objetivo será fazer propostas comuns sobre os diferentes campos e/ou temas discutidos.

O planejamento da Escola inclui uma série de reuniões para discutir experiências e práticas de violência identificadas durante as discussões nos grupos, breves palestras e trabalho de campo, com a participação de comunidades, organizações públicas, pesquisadores nacionais e internacionais. A Escola de Verão encerrará com uma restituição na presença dos vários atores e membros da sociedade civil envolvidos.

Logos da escola de verão