Resumo

Itaipu Binacional recebeu em seu anfiteatro, de 21 a 25 de novembro, especialistas, estudantes, técnicos, acadêmicos e pesquisadores de vários países. O objetivo era discutir avanços científicos recentes e perspectivas sobre o uso de observações de satélite para medir e estudar os recursos hídricos do planeta, especialmente na América do Sul.

A terceira edição da conferência "South America Water from Space" realizou-se a poucas semanas do lançamento do satélite «Surface Water and Ocean Topography» (SWOT), previsto para o dia 15 de Dezembro.

© Léa Servais

Durante este evento, organizado durante 5 dias e em 3 idiomas (inglês, espanhol e português), foram convidados pesquisadores que trabalharam diretamente no projeto.  Eles sublinharam a importância da ciência e do uso de observações espaciais para melhor controlar os recursos hídricos e prevenir os riscos associados. Eles também puderam conversar com pessoas de diferentes países da América do Sul sobre o conhecimento científico atual e compartilhar os avanços recentes e as perspectivas oferecidas pela implantação de satélites dedicados à hidrologia.

Na quarta-feira, 23 de novembro, os participantes tiveram a oportunidade de participar de workshops sobre a altimetria espacial, os futuros dados SWOT ou ainda sobre as aplicações disponíveis para estudar os recursos hídricos.

© JPL NASA

Missão SWOT

Esta missão visa realizar o primeiro levantamento global dos níveis das águas superficiais da Terra e medir as mudanças ao longo do tempo.

É visto como uma esperança para a coleta de dados que podem contribuir para estudos de bacias hidrográficas em vários países. Estas medidas devem permitir uma melhor compreensão do ciclo da água.

 

O projeto nasceu de uma cooperação entre as agências espaciais dos EUA (NASA), França (CNES), Canadá (CSA) e Reino Unido (UKSA).

Itaipu Binacional, líder mundial na produção de energia limpa e renovável

O uso de dados de observação por satélite em hidrologia é um avanço científico recente e Itaipu está na vanguarda do continente, avaliando e usando dados espaciais em sua rotina operacional.

© Léa Servais

Com 20 unidades de produção e 14.000 MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na produção de energia limpa e renovável, tendo produzido desde 1984 2,8 bilhões de MWh.

Em 2021, a energia hidrelétrica produzida pela Itaipu representou 8,4% de toda a energia consumida pelo Brasil e 85,5% pelo Paraguai.

© Léa Servais

Após as numerosas sessões, apresentações e workshops, o seminário terminou com a visita à Barragem de Itaipu e ao Refúgio Bela Vista.


Esta semana foi uma experiência muito enriquecedora para pesquisadores e estudantes, permitindo que várias comunidades se reúnam e troquem informações sobre a teledetecção em hidrologia.

A organizaçao de “South America Water from Space III” foi possível graças à colaboração do :

  • Institut de Recherche pour le Développement (IRD - France)
  • Serviço Geológico do Brasil (SGB, anciennement Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM)
  • Centre National d'Études Spatiales (CNES - France)
  • Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRHidro)
  • Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (IPH/UFRGS).

 

A Itaipu patrocinou o evento, que também é apoiado pela Fundação Parque Tecnológico Itaipu (PTI), a missão Surface Water and Ocean Topography (SWOT) e o Laboratoire en Géophysique et Océanographie Spatiales (LEGOS - França).

 

Agora resta apenas esperar o lançamento do satélite !

Conférence "South America Water from Space"