Cada ano, entre 4 e 12 milhões de toneladas de resíduos plásticos chegam aos oceanos do planeta, uma situação com graves consequências para a fauna marinha, a regulação climática e a espécie humana. É nisso que vamos falar na Mesa redonda “Mergulho na ciência” do 3 de Julho, com a participação do LMI Tapioca no âmbito do projeto FrancEcoLab Brasil 2021.

Há já tempo que cientistas interessados nos ecossistemas marinhos estudam a presença de polluantes como plásticos e microplásticos nos oceanos, levando em conta os diferentes organismos que vivem e dependem deles: peixes, mamíferos, plancton mas também humanos! Em efecto, as populações costeiras convivam com o mar que é um recurso para a vida quotidiana, por exemplo com a pesca. Portanto, cientistas e sociedade têm necessidade de dialogar para chegar a um desenvolvimento sustentável.

No webinário “Mergulho na ciência” vamos para uma viagem entre estuario, costa e oceano profundo, em zonas populosas o mais vazias do Brasil e do sudeste asiático, com a ideia de sensibilizar sobre esse tema essencial da contaminação do producto emblemático da nossa era: o plástico.

A mesa virtual se realizará com dois membros  do Laboratório Mixto Internacional (LMI) Tapioca (IRD, UFRPE, UFPE), Raqueline Monteiro (UFPA) oceanógrafa, Cristiano Lopes (UFRPE) estudante neste campo e membro ativo do laboratório na área de extensão, e será animada pelo oceanógrafo Lucas Inacio (UFPE).

Programa

Na 1ª parte, falaremos sobre a vida de um pesquisador/a em ciências marinhas e as motivações que levam a trabalhar sobre um tema com o plástico. O documentário "Resíduos plásticos, do visível ao invisível", um filme sobre a poluição do rio Saigon, Vietnã, com microplásticos, será exibido exclusivamente para o público e dará origem a um debate sobre as semelhanças, mas também as diferenças entre este país emergente do sudeste asiático e o Brasil.

A segunda parte centrará-se no diálogo que existe entre a ciência e a sociedade, e em particular no programa de extensão da LMI Tapioca com a emissão de um excerto do podcast original "Mulher de maré" sobre as condições de vida das mulheres que trabalham na pesca artesanal no sul de Pernambuco. Este diálogo dará origem a um questionamento das idas e vindas do mundo acadêmico para a sociedade e vice-versa. Por exemplo, as desigualdades socioeconômicas, étnicas ou de gênero que existem na sociedade não estão sem efeito sobre o “ecossistema” ciência...

Quer participar ao #Live?

Quando? Sábado 3 de Julho às 10h da manhã

Onde? No canal YouTube do @Instituto Ecologico Aqualung

⇒ Saiba mais sobre FrancEcoLab Brasil

Raqueline Monteiro, Doutora em oceanografia pela UFPA, 2021

© Ambassade de France au Brésil, projet FrancEcoLab Brésil 2021

Pessoas convidadas

Raqueline Monteiro é oceanógrafa da Universidade Federal do Pará (UFPA) e tem um mestrado em Oceanografia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Atualmente, é aluna de doutoramento em Ecologia Aquática e Pescas na UFPA, especializada em poluição plástica em ambientes aquáticos e costeiros. Publicou estudos sobre a contaminação plástica em ilhas e praias oceânicas. Tem experiência em oceanografia biológica, educação ambiental e é conferencista sobre o uso e consumo de plásticos e os seus impactos no ambiente. Ela é também Jovem embaixadora do Oceano Atlântico.

Cristiano Lopes, estudante de mestrado na UFRPE

© Ambassade de France au Brésil, projet FrancEcoLab Brésil 2021

Cristiano Lopes é estudante de Mestrado de ciências marinhas, especializado em eco-acústica. É também um dos membros mais ativos do projeto de sensibilização pública da LMI Tapioca.

Lucas Inacio, oceanógrafo na UFPE e diretor do museu de oceanografia

© Ambassade de France au Brésil, projet FrancEcoLab Brésil 2021

Facilitador

Lucas Inacio é oceanógrafo na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). É também o diretor do projeto Educocean da UFPE.