Resumo

Descubra, em acesso livre, o livro Povos tradicionais e biodiversidade no Brasil - Contribuições dos povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais para a biodiversidade, políticas e ameaças (2021), uma suma de contribuições de vários horizontes da pesquisa que procura mostrar a mega sociobiodiversidade do Brasil e as ameaças que ela enfrenta. Direção de Manuela Carneiro da Cunha, com a participação de Laure Emperaire (IRD, UMR PALOC).

Livre "Peuples traditionnels et biodiversité au Brésil", SBPC, 2021

© Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)

A obra Povos tradicionais e biodiversidade no Brasil - Contribuições dos povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais para a biodiversidade, políticas e ameaças é uma síntese das contribuições dos povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais no Brasil para a geração e conservação da biodiversidade além de outros serviços ecossistêmicos. Bem como das políticas públicas que os afetam positiva ou negativamente e dos conflitos e ameaças a que estão sujeitos. A pesquisa traz ainda avaliações e recomendações de órgãos internacionais acerca de compromissos assumidos pelo Brasil também são repertoriados. O livro compõe um acervo importantíssimo, não só para os tomadores de decisão, mas também para os povos tradicionais e cientistas de muitas áreas.

A estrutura básica da obra conta 6 partes e 17 seções, cada uma com um número variável de capítulos. Quinzenalmente, uma nova seção será publicada nesta página e uma vez por mês, sempre às quintas-feiras, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) realiza em seu canal no YouTube um debate online sobre os temas apresentados no período.

⇒ Encontra a apresentação das sessões e descarrega o livro.

"O importante é que no há fronteira entre o silvestre e o cultivado, ao contrário das políticas públicas que diferenciam de um modo abrupto esses dois campos."

Laure Emperaire

Miniatura

(Re)ver o lançamento da sessão 7 "Gerar, Cuidar e Manter a Diversidade Biológica", organizado e apresentado por Manuela Carneiro da Cunha com a participação de Laure Emperaire (IRD, UMR PALOC).

A obra

Povos tradicionais e biodiversidade no Brasil – Contribuições dos povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais para a biodiversidade, políticas e ameaças

2021

Sob a coordenação de Manuela Carneiro da Cunha (USP e Univ. de Chicago), Sônia Barbosa Magalhães (UFPA) e Cristina Adams (USP), o estudo envolve pesquisas interculturais com povos indígenas (Kuikuro, Yanomami, Guarani M´bya, Guarani Kaiowá, Wajãpi, Tuyuka e Tukano do rio Negro, etc.), quilombolas do Trombetas e comunidades tradicionais (quebradeiras de côco babaçu, populações de fundos de pasto, vazanteiros, caiçaras da Juréia, geraizeiros), além de cientistas filiados a cerca de 15 universidades e de 10 Instituições de Pesquisa brasileiras e internacionais como Laure Emperaire (IRD, UMR PALOC), Organizações Não Governamentais, bem como diversos órgãos públicos, como MPF, Funai, INCRA, IBGE e MMA.

O trabalho é resultado de uma encomenda do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), viabilizado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), complementado pelo apoio de um doador que quis ficar anônimo e, ainda, com contribuição da Plataforma Brasileira de Serviços Ecossistêmicos (BPBES).