Na presença de parceiros regionais, a rede WIN reuniu-se em 17 e 18 de Maio para estruturar uma rede de pesquisa sobre as resistências aos inseticidas e artrópodes vetores de doenças humanas.

Este evento, intitulado "Em direção ao desenvolvimento de uma rede de pesquisa sul-americana para a vigilância e o controle dos mosquitos vetores resistentes aos inseticidas" reuniu pesquisadores de 9 países diferentes (França, Brasil, EUA, Peru, Argentina, Venezuela, Colômbia, Equador, Guiana).

Os objetivos desta primeira reunião eram os seguintes:

  • Compartilhar conhecimento, identificar lacunas e prioridades de pesquisa na vigilância e gestão da resistência aos inseticidas na América do Sul
  • Propor um quadro para a criação de uma rede regional de pesquisa sobre a resistência aos mosquitos
  • Identificar parceiros e fontes de financiamento
  • Estabelecer um plano de ação para o primeiro ano

© WIN

 

Posteriormente, Vincent Corbel (IRD) apresentou um seminário de 2 horas no IOC sobre o tema das resistências aos inseticidas e seus impactos no controle de vetores, que foi transmitido ao vivo no canal do IOC.

Contexto desta reunião:

Nos últimos 5 anos, doenças arbovirais como a dengue, a chikungunya, o zika e a febre amarela (re)surgiram na América do Sul com prevalência e gravidade crescentes. Além disso, em 2022, a incidência da malária aumentou em nove países (Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, Guiana, México, Nicarágua, Panamá e Venezuela), com pontos quentes localizados em áreas florestais, transfronteiriças e de difícil acesso.

A prevenção destas doenças a nível regional continua a depender em grande medida do controlo das populações de mosquitos vetores através de inseticidas de saúde pública. Infelizmente, a utilização dos mesmos inseticidas durante mais de 30 anos levou à propagação da resistência dos mosquitos aos inseticidas, especialmente em Aedes spp que apresentam uma prevalência e uma intensidade muito elevadas de resistência a todas as classes de PHP. Isto constitui um obstáculo à prevenção e ao controlo das doenças transmitidas pelo Aedes e aos esforços de eliminação da malária na América do Sul.

É necessária uma abordagem coordenada para melhorar a vigilância dos mosquitos vetores resistentes aos inseticidas e propor estratégias adequadas de atenuação da resistência. A iniciativa WIN na América do Sul (WINSA) deverá responder a esta necessidade, reforçando as capacidades de pesquisa e de formação dos institutos nacionais de pesquisa envolvidos no controlo dos vetores. A WINSA tem igualmente por objetivo fornecer conhecimentos técnicos e científicos à OPAS e aos Estados Membros, a fim de contribuir para a redução das doenças transmitidas pela malária e pelo Aedes até 2030.